arrow_drop_down
O brincar na educação infantil

O brincar na educação infantil

Atividades podem contribuir para a educação social e formal das crianças

*Por Karina Keler

Quando a palavra brincar se refere à educação e ao desenvolvimento da criança, ela se torna uma questão muito séria e, ao longo de décadas, o tema tem sido estudado por diversos pensadores.

Para Jean William Fritz Piaget, psicólogo suíço considerado o principal representante da psicologia da aprendizagem, o desenvolvimento acontece por meio do lúdico e das brincadeiras. Ele defende que, desta forma, as crianças aprendem, se satisfazem, realizam seus desejos e exploram o mundo ao seu redor.

Já para o psicólogo russo Lev Vygotsky, a construção de relações sociais se dá por meio da imaginação, da fantasia e da realidade. As interações, o desenvolvimento emocional e a cognição, acontecem quando o lúdico é vivenciado.

Seja no contexto familiar ou na escola, sempre há muito o que se explorar. Espaços, texturas e cores são um bom exemplo. O brincar em grupo ajuda a aprimorar a convivência, o cumprimento de regras, respeito aos amigos, aceitação de opiniões diferentes e divisão de brinquedos. Tudo isso faz parte da construção de conceitos fundamentais ligados à evolução da aprendizagem.

Na mesma opinião, a  Base Nacional Comum Curricular (BNCC) acredita que são as interações sociais e as brincadeiras que possibilitam à criança alcançar e treinar novas habilidades sensoriais e educacionais. Além disso, de acordo com o documento normativo obrigatório da Educação Básica, o brincar é um dos direitos fundamentais da infância e juventude.

Vale lembrar que organização, planejamento e estratégias, são fundamentais para garantir que a brincadeira seja algo construtivo e benéfico para a criança. No entanto, o  comprometimento e a persistência contribuem para o desenvolvimento integral do ser humano e, à luz da Palavra de Deus, são ferramentas que demonstram amor aos pequenos.

Referências

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social de Mente. 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

PIAGET, J. O Julgamento moral na criança. Trad. De Elzon Lenardon, São Paulo: Mestre Jou, 1977. PIAGET, Jean e INHELDER Barbel. A Psicologia da Criança. Tradução por Octavio Mendes Cajado. 4º ed. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

https://unisal.br/wp-content/uploads/2013/03/Disserta%C3%A7%C3%A3o-Ingrid-M-Moares.pdf acesso 03-05-2021

https://brasilescola.uol.com.br/

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#infantil